Archive for the 'Uncategorized' Category

26
Aug
11

Analista de que mesmo ?

Tenho demorado de postar aqui, devido ao excesso de demandas… profissionais, pessoais, afetivas, mundiais.

Há umas semanas precisei analisar currículos pois estava em busca de um profissional para a empresa para qual eu trabalho, e uma coisa me chamou a atenção nas atribuições de 80% dos currículos que recebi.

Esses currículos apresentavam em suas qualificações a seguinte “virtude”:

” – Especialista em gestão, análise e monitoramento de Redes Sociais.”

E venho percebendo que isso é uma crescente.
Pela definição dessas pessoas, até eu sou analista de Redes Sociais.
Fui nos perfis sociais de alguns candidatos e dei muita risada, pra não chorar.

As pessoas acham, que por que passam o dia no Twitter, no Facebook, Orkut, etc… faz dela analista em Redes Sociais.
Para começar que para a gente ser analista de o que quer que seja, precisamos ter conteúdo, ler coisas diversas e nos formar como pessoas primeiro. É claro que falo de um bom analista, né ?

E continuando nessa linha de pensamento fico pensando que futuro temos pela frente.
Quando eu era estudante, pesquisa pra escola e faculdade exigia de mim paciência, atenção e dedicação.
Hoje requer apenas um clique e as respostas estão quase que prontas.
Sem contar no bom e velho recurso copiar e colar.

Não me espanta, tantas redações com português capenga e mal acabado.
Quem não lê, não pode saber escrever.
Por exemplo, quem sabe, futuramente a frase acima será escrita:
“Quem não ler, não pode sabê escrevê”.

Deixa eu explicar: as pessoas não sabem mais, usar os tempos verbais corretamente. O infinitivo por exemplo, que podemos definir como “nome do verbo”… está morrendo… de raiva.
A graaaaaaaaande maioria escreve: Morri de ri, quero te vê, É importante consegui o que se quer…

Olha… tá difícil.

Mas voltando aos analistas de Redes Sociais, eu tenho dito que essa nova definição, se ajusta à antiga “Analista de Marketing”. É o profissional da “moda”.

Mas se isso é estar na moda, quero ser eternamente demodê.
Vamos ocupar nosso tempo lendo mais, sendo mais e nos definindo menos, porque nada é mais constante que a mudança, ainda mais num cenário tão jovem… praticamente um bebê.

Pronto, acabo de achar um termo para me encaixar: eu sou uma observadora das Mídias Sociais… Melhor dizendo eu sou uma observadora do mundo, das pessoas, da vida.

Eu observo a vida, caleidoscopicamente.

09
Jun
11

Caiu na Rede é Peixe

E as redes sociais a cada dia ganham mais e mais espaço na vida cotidiana das pessoas.
Vieram pra ficar.
Prova disso é o modo como mudou ( e continua a mudar) muitos de nossos hábitos e costumes.
Estamos mudando nossa maneira de comprar, de ler, de nos comunicar, de nos relacionar.
Fomos engolidos pela onda da conectividade e não tem mais volta.
Somos a gota que foi absorvida pelo mar cibernético informativo.

Tudo é informação.
Todo mundo agora é mídia gerando notícia, conteúdo, notícia.
Pois é, a inclusão digital nos pegou, nos incluiu. Mesmo.

Mas como todo começo de ciclo, ainda estamos tentando entender e nos adaptar aos novos costumes.
Estamos percebendo que ganhamos nosso próprio canal de comunicação, nosso próprio veículo de mídia.
Informação é poder, hoje mais do que nunca. Wikileaks que o diga.
E nessa adaptação, algumas trapalhadas podem acontecer. Podemos trocar os pés pelas mãos e a criatura se voltará contra o criador.

Seu Twitter ou Facebook pode ser seu maior amigo… ou seu maior inimigo.
Isso vai depender única e exclusivamente de você, pois é você que administra o que lá está – no caso dos perfis pessoais, não corporativos.

E como sempre, com todo poder, vem sempre uma grande responsabilidade.
Essa responsabilidade é de perceber que há limites para o que pode (e deve) ser postado, para sua boa e própria proteção. Porque uma vez que caiu na rede, já foi. Não volta atrás.
Você pode até deletar e nada acontecer. Mas pode acontecer o contrário.
Alguém pode ler e muitas vezes aquela pessoa que não “poderia” ler.
É aquela coisa de quando você bebe e começa a ligar pra ex-namorado, mandar mensagem de texto.
No outro dia acorda, com aquela ressaca moral… mas aí já foi né, “bunita” ?

Mesma coisa com Facebook e Twitter. O problema maior começa a se configurar quando colegas de trabalho – e pior seu chefe – faz parte da sua rede social.
É preciso atenção redobrada nessa hora, principalmente na hora do desabafo relativo à trabalho, problemas com colegas ou com a sua própria insatisfação pessoal com falta de reconhecimento, salário baixo ou até perseguição.
O Prynt Screen é o pavor do impulso. o RT é o desespero de quem se arrependeu.
Você pode ser o maior prejudicado.

Estão na internet inúmeros exemplos de casos de pessoas que na hora do impulso, destilaram sua raiva ou desgosto e acabaram perdendo o emprego.
Já existem casos extremos que até acabaram em processo na Justiça pelos pensamentos publicados, à exemplo de Mayara Petruso. A moça ficou “famosa” ao twittar na hora da raiva contra nordestinos na época da eleição para presidente, por motivo tosco e de somenos importância incitando a Xenofobia. Resultado ? Está sendo processada pela OAB e o Ministério publico já acatou a denúncia.

Há quem diga: Não vou me deixar censurar…
Isso não é censura de ninguém, é perspicácia – capacidade de ver a complexidade e sutilezas.
Ou então segure a onda das consequências.
Segure sua raiva, seu impulso pois o feitiço pode virar contra o feiticeiro.
Esse impulso pode também vir no compasso da alegria e da empolgação.
Se você for mencionar a empresa em que trabalha, esteja certo que está de acordo com a gestão das redes sociais da mesma, para evitar conflitos e desgastes desnecessários.

Eu, sou intensa e exponho minhas idéias e pensamentos com veemência, sempre procurando fazer uma reflexão ao tema sobre o qual estou falando, sem ofensas.

As críticas são sempre bem vindas.
Além de bem vindas, críticas são necessárias nas nossas vidas. Não são os acertos que nos ensinam, são os erros.
Mas que sejam críticas construtivas para que possa haver oportunidade de retratação, oportunidade de fazer diferente, de mudança.
E se por acaso seu chefe é daquele tipo que não tem jeito e não vai mudar, te ouvir ou lhe dar oportunidade, me permita dizer que é VOCÊ que está no lugar errado, e se ele te demitir vai fazer um grande favor à você.

A vida é cheia de oportunidades para aqueles que se dispõem à vivê-la com Coragem e Verdade e não recompensa quem tem medo, e se esconde atrás de críticas e fofoca.Não recompensa quem se prende à assuntos que não interessam, só pra gerar “pauta”.

Se está insatisfeito(a) a responsabilidade é integralmente sua, porque você é o único(a) que pode fazer alguma coisa para mudar. Nem que para isso seja necessário mudar de emprego.

Cuidado, porque caiu na Rede é peixe, e peixe morre pela boca.

Obs. Não por acaso, o peixe que ilustra esse post, tem boca pequena. =)

Cartas para Redação.
Bjo me twitta @patmguerra

15
Mar
11

Be the best

Olá Olá

Passada a folia momesca, a rotina volta a se instalar… e meu Blog agradece.
Não que o carnaval tenha me impedido de escrever aqui, mas as atividades pré- carnaval tomaram meu tempo e só me devolveram ontem.

Enfim, cá estou.
Para quem não sabe, participo de um programa semanal de rádio, à convite da minha mais que querida amiga, Dina Rachid.
O Comes e Bebes é um programa que aborda a enogastronomia, com participação de sommeliers, enólogos, mâitres, donos de restaurantes, bares e gente interessante e colorida que faz parte desse universo.

Tenho aprendido muito nesses quase um ano de Comes e Bebes.
E, uma coisa que é constantemente abordada é o atendimento.
Infelizmente, devo dizer, somos campeões do mal atendimento. Não vou tratar das exceções – que graças à Deus – existem.

Vou tratar da regra…
Para todo e qualquer serviço, o mal atendimento impera na Bahia. Isso vai de uma simples pesquisa orçamentária, até o atendimento final.

Tento entender as razões que levam à perpetuação dessa situação que contradiz o bom e velho ditado: “Quem não tem competência, não se estabelece”… porque o que eu mais vejo é gente pra lá de incompetente estabelecida.

O que há de errado nessa equação, então ?
Nós, os consumidores, não estamos cumprindo nosso papel.
Antes de me aprofundar vou relatar uma parte de minha história, bem rapidamente.

Para quem não sabe, morei nos Estados Unidos, mais precisamente em Nova York, durante 4 anos. Foi – sem sobra de dúvidas – a melhor experiência de minha vida e a mais transformadora.
Eu, mocinha bem formada, estudada, quase uma “patricinha soteropolitana”… trabalhando de babá ????

Sim, de babá.
Fui parar em Nova York, depois de uma breve passagem por Miami, na casa de um primo que na época morava em Miami e trabalhava na HBO Latin. Uma amiga nossa em comum, morava em NY onde dividia apartamento com uma equatoriana – Johanna, e ela trabalhava como secretária para um casal americano.

To make a long story short, fui trabalhar para essa família, durante os finais de semana, cuidando das 3 ¹/² crianças… 3 crianças e uma na barriga da mãe. Em menos de 4 meses, eram 4 crianças. A mãe era francesa e o pai um business man… em 2006 foi listado entre as 500 pessoas mais ricas do mundo.

Isabelle, mãe das crianças e minha chefe me lembra Miranda – a personagem de Meryl Strip em O Diabo Veste Prada, com a diferença de que ela não tinha tanto bom gosto assim.. Anyway, nas primeiras semanas de trabalho, eu como boa brasileira, chegava atrasada aqueles 5 ou 10 minutinhos de praxe.
No terceiro dia do meu atraso, ela me aguardava na porta e me disse: 4pm não é 4:05, 4:10, e muito menos 4:15… portanto se atrasar amanhã, volta pra casa.

=x
Pois é, minha gente. Durante os quatro anos que morei em Nova York e que trabalhei com eles, meu relógio estava sempre meia hora adiantado, para evitar eventuais atrasos.
Bem, a partir daquele dia, decidi que se era pra ser Babá, seria a melhor babá que eu pudesse ser… éramos 3 e mais a cozinheira, que era brasileira também.

Em menos de um ano, eu “cresci na empresa” e fui promovida à governanta da casa. E por conta disso, viajei com a família para Europa (França, Espanha e Itália – conheci Veneza me hospedando no Cipriani de lá…), Colorado, Anguilla no Caribe (pelo menos 5 vezes…)… Organizava jantares, viagens e compras da familia… enfim… parece sopa no mel, mas não era, não. Trabalhava às vezes 15 horas por dia e quase não tinha vida própria.
Resultado: Quando decidi voltar, Isabelle me deu de presente um curso de Especialização em Marketing de Entretenimento e Eventos pela New York University (mega presentão!!!)

Voltei à NY algumas vezes depois disso, e sempre fico na casa deles, como hóspede e sou como uma tia para as crianças – que já não são tão crianças assim, são adolescentes. Minha relação com Isabelle (a mãe) se tornou muito próxima, e aprendi muito com ela, que é uma pessoa muito inteligente e exigente.

Foi um esforço em nome de uma experiência que me ensinou dentre muitas coisas, a ser uma cidadã melhor e mais consciente.

Não importa qual o resultado do meu esforço, o que importa é o esforço empenhado. Ambição é qualidade quando aplicada na justa medida. Não estou falando de ganância. Ambição pautada pela ética e retidão, não importando o quanto às vezes se possa parecer um bobão… é sempre recompensada.

Voltando à questão inicial, vejo que falta essa ambição saudável, esse desejo de eu quero – e posso – ser melhor do que eu sou hoje. Não se trata de ser melhor do que fulano ou cicrano, mas ser melhor do que sou hoje, andar a “extra mile”, que no final do dia é o que faz a diferença.
Temos OBRIGAÇÃO de ser melhor ao sair de um emprego, do que do dia que começamos nele. Senão, estamos estagnados, sem aprender nada…

Há uma má vontade, uma preguiça de pensar nos serviços prestados na Bahia, que me deixa aborrecida. É sempre a Lei do mínimo esforço. Todo mundo quer entrar no BBB ou ganhar na Mega Sena pra virar milionário da noite para o dia. Todo mundo quer ter “uma ponta” pra ganhar por fora… Passamos por uma crise ética profunda… Estamos na época do ” quero ter para parecer que sou…”
Isso é claramente percebido por conta da inclusão digital… todo mundo tem câmera digital pra postar fotos nas redes sociais… Marketing de Felicidade é melhor que ser feliz… Será ?

Estamos esquecendo de SER mais inteiros e íntegros. Estamos deixando para trás a importância da leitura de um bom livro de poesia, de filosofia, de artes, de contos e crônicas… Não estamos abastecendo a Alma, que no final das contas é que temos para todas as coisas e relações. Pode fingir e mentir o quanto quiser, porque chega o dia que a casa (e a máscara) cái.

Veja, amo a internet. É um manancial com um potencial incrível, sempre digo que o Twitter é minha mídia preferida por ser tão democrática, mas tenham CERTEZA que não me limito à isso. Quem pensa que sou apenas o que posto no twitter ou no face, está enganado. Acho que ninguém é só uma coisa… a não ser que queria. Somos ricos, profundos, inesgotáveis…

Quem limita é nossa ignorância, preguiça e acomodação.
Pense nisso na hora de atender um cliente de má vontade, e de não reclamar do mal atendimento que prestam à você. Às vezes, sua reclamação é que vai ser o gatilho transformador da vida de uma pessoa, assim como Isabelle – minha ex-chefe de NY – transformou definitivamente minha vida.

Cartas para redação.
Bjo, me twitta
@patmguerra

Ps. Na foto eu e minhas colegas de trabalho de Nova York.

25
Jan
11

Fala que eu te escuto

 

 

 

Tem coisa pior do que se decepcionar na vida ?

Tem, claro que, tem… Vamos deixar de drama.

Mas se decepcionar é ruim demais.

Pior é quando você não tem com quem reclamar, alguém que ajude a minimizar os danos.

Quando se trata de produtos e serviços temos como reclamar, mas muitas vezes escolhemos não falar nada, pra evitar ainda mais chateação.

Nem dá pra falar que em regra geral, conseguimos reclamar, porque devido ao mal atendimento, a falta de solução está se tornando a regra; e bom atendimento e soluções virando exceção.

Mas acho válido dividir uma experiência que passei no final do ano passado, e que felizmente, teve um desfecho positivo, até além do esperado.

Sou paulistana, mas fui criada em Salvador. Já andei pelo mundo. Voltei à São Paulo pra estudar, morei 4 anos e meio em Nova York e voltei pra Bahia em 2007.

E ano sim, ano não, passamos o Natal em São Paulo com a família toda reunida.

Pois bem, dito isso vamos aos fatos.

Comprei uma passagem pelo site da TAM, no dia 1 de Novembro. Sempre compro passagens pela internet e NUNCA tive nenhum tipo de problema. Pelo contrário.

Comprei a passagem e paguei quase R$ 600, 00 ida e volta. Ao comprar a passagem informei que levaria meu cachorrinho – um shitzu lindo de viver – . O atendente todo educado me informou: Um pouco mais perto da data de viagem, por favor ligue para nosso SAC pra confirmar a reserva de seu cão.

No começo do mês de Dezembro, notei um estorno na fatura do meu cartão de crédito, mas confesso que não entendi bem, mas como compramos as passagens da família toda pela internet, achei que poderia ter sido um erro do cartão de ter debitado duas vezes, uma vez que estava com os comprovantes de venda impressos.

E aqui, faço uma pausa para minha Mea Culpa de não ter ligado para o cartão. Era a atitude certa.

Um pouco mais de um mês de passou e há 9 dias da viagem, liguei para o SAC da TAM afim de confirmar a reseva do meu cachorro.

Quase caí da cadeira, quando o atendente disse:

” – Senhora, a reserva da senhora foi CANCELADA”

Como assim cancelada ???

Com ordem de quem ???

Até hoje não descobriram porque minha reserva fora cancelada.

Eu confesso que naquele momento comecei a preparar meu espírito para duas coisas: Ou passar o Natal em Salvador na companhia de amigos , ou desembolsar o dobro do valor pelo mesmo trecho, porque naquela altura do campeonato, a passagem não custava menos do que R$ 1.200,00

Não tive dúvidas, peguei o telefone e pedi ao SAC da TAM o telefone ou Email da OUVIDORIA.

Pedi com a disposição de RECLAMAR mesmo e derramar sobre eles toda minha indignação.

JURO que em nenhum minuto, achei que eles fosse resolver o meu problema.

Mas enfim…

Enviei um Email para a ouvidoria, relatando todo o caso e ainda completei:

“Não adianta campanhas maravilhosas, se na hora de atender o cliente, falham irremediavelmente”

Imaginem qual foi a minha surpresa ao receber – no dia seguinte , um telefonema da Ouvidoria da TAM.

Apois.

Me ligaram e SOLUCIONARAM meu problema.

Garantiram minha passagem pelo MESMO valor que eu havia pago há quase 2 meses atrás. Importante lembrar que estamos falando da época de festas de final de ano, alta estação e que as passagens custam mais que o dobro do preço.

Meu problema foi resolvido e minha viagem foi excelente, meu cachorrinho foi super bem tratado inclusive. Viajou comigo na cabine.

Ele é chic, né ? rs

Fiquei feliz de ver, que mesmo que sendo exceção, os serviços podem funcionar.

Se eu não tivesse mandado o email para a OUVIDORIA muito provavelmente teria desembolsado o dobro do valor e me estressado o triplo.

Acho que muitas vezes, não sabemos COMO e com QUEM reclamar nossos direitos.

Portanto, fica aí minha dica de hoje.

Todas (ou quase todas) as empresas tem OUVIDORIA e é lá que moram as solução para nossas chateações.

O pessoal de telemarketing pode até ser “gente boa”, mas não soluciona nada porque não têm poderes para isso.

Tem que falar com quem pode (e muitas vezes vai ) resolver.

Então, guarde esse nome: Ouvidoria.

Carta para redação.

Bjo, me twitta

@patmguerra

04
Jan
11

Hello world!

 

Hello, World.

Seja bem vindo ao meu novo Blog – Prime Talk.

Eu tenho outro Blog, o Patstarland, que eu amo e é um cantinho da minha Alma que mostro pro mundo.

Mas confesso que senti uma necessidade quase física de  ter um outro espaço para falar um pouco mais das minhas percepções sobre Comunicação.

Sou publicitária por formação e Comunicação é – e sempre foi – minha paixão.  Sentia que no Patstarland não dava pra ter essa pegada, digamos profissional. A vibe de lá é outra, mais pessoal… E quem for lá, vai logo identificar isso.

E porque Prime Talk ?

Devo dizer que não pensei muito, o nome surgiu na minha cabeça, fiz uma pesquisa no Google e o nome estava disponível aqui no wordpress.

Pronto, tava feito.

Acho que as grandes decisões de nossas vidas não tomamos pensando racionalmente. A gente pensa, racionaliza mas quem dá o veredicto é a emoção, a paixão, aquela voz interna que sempre sabe o que é melhor.  Mais pra frente falarei sobre isso e como isso atua no meu processo criativo.

Decidir tem um poder incrível, e desperta uma cadeia de acontecimentos… Goethe sabia bem disso, é dele a célebre passagem:

Em relação a todos os atos de iniciativa e de criação, existe uma verdade fundamental, cujo desconhecimento mata inúmeras idéias e planos esplêndidos: A de que no momento em que nos comprometemos definitivamente, a providência move-se também. Toda uma corrente de acontecimentos brota da decisão, fazendo surgir a nosso favor toda sorte de incidentes e encontros e assistência material que nenhum homem sonharia que viesse em sua direção. O que quer que você possa fazer ou sonhe que possa, faça. Coragem contém genialidade, poder e magia. Comece agora.” (Goethe)

*Adoro essa passagem e ela está presente no template do Patstarland.

A interação que o Twitter me proporciona diariamente, me fez perceber que eu posso contribuir e aprender muito com essa troca nas Mídias Sociais. Só que no twitter a comunicação é instantânea e logo se dispersa. Por ser um microblog, a qualidade da esfera twitteira é essa: a fugacidade.

Aqui poderei conversar, talvez um pouco mais profundamente, sobre o que eu penso sobre Comunicação, Marketing, Serviços, Atendimento, Aprendizados, dando o meu toque “Humanista” – que é minha verve editorial digamos.

Pois então, aqui está o Prime Talk.

Leia, Reflita, Opine, Retweet, Concorde ou discorde.

Só não vale ficar à parte ou fazer baixaria…

Sabe como é, tem de tudo por aí e não custa nada dar a dica pra galera.

O Prime Talk é um espaço democrático e  acima de tudo, um espaço do bem, uma tentativa de fazer a minha parte para que esse nosso mundo fique um pouco melhor.

Logo mais, vou dar início aos trabalhos.

Espero vocês.

Bjo, me twitta

@patmguerra